pavilhão #1, 2012
martelo, prego, tela fachadeira bordada, prumo e linha de pedreiro
185 x 100 x 120 cm
foto Galeria Leme

O trabalho opera na ambiguidade do termo pavilhão, que dá nome aos estandartes e bandeiras de escolas de samba brasileiras, mas que também significa tenda ou arranjo arquitetônico. No primeiro contexto, representa a ideologia e tradição das agremiações: entre a comunidade em seu entorno há um respeito reverente, e até determinada mística, de maneira que poucos são autorizados a toca-lo. Já no que toca à arquitetura, o vocábulo pode se referir aos acampamentos provisórios, ou construções mais leves e acessórias em seus fins específicos. Mais tarde, o termo foi apropriado no campo da arte pelas estruturas destinadas às grandes exposições e a representação de instituições e entidades, como os pavilhões nacionais nas bienais de arte ao redor do mundo.




pavilhão #2, 2014
prego, tapume, prumos, abraçadeiras plásticas e linha de pedreiro
220 x 100 x 120 cm
foto Galeria Leme




pavilhão #3, 2014
martelo, prego, tela fachadeira de proteção, prumo, abraçadeiras plásticas e linha de pedreiro
200 x 100 x 120 cm
foto Galeria Leme




pavilhão #4 (tapume), 2015
prego, tela fachadeira (tapume), prumos, abraçadeiras plásticas, linha de pedreiro e bloco de concreto
200 x 70 x 50 cm
foto Galeria Leme